segunda-feira, 16 de julho de 2018


Embriagam-me os beijos, os cheiros, os carinhos e os olhos.
Ouço os nossos soluços, os nossos silêncios gritantes.
A despedida desmedida em poesia, escrita em nossos corpos e mentes.
Grudadas em nossas retinas paralisadas, mesmo distantes.

Encanto dos nossos corpos dançantes, colados,
sem querer separar-se, delicados.
Silêncios, soluços...nossos calmantes.
Apenas palavras soltas, cambaleantes.

O beijo silenciado, selando as lágrimas.
Ficamos assim, mudos, emocionados e abraçados.
A lua lá fora teimosamente brilhante
Encerramos assim a nossa noite errante.

..e  sem licença, acertadamente,
adormeço nos braços teus..deliciosamente.(Bandys) ♥

domingo, 8 de julho de 2018



Nenhuma condição é permanente
A flor já foi semente
Me vi perdida, te encontrei confidente...
Dormi na lua minguante dancei na crescente
Tudo muda de repente
Fui culpada e inocente,
Frágil e resistente, triste e sorridente.
Me achei perdidamente,
Ausente e presente
Pedi a estrela cadente
Amar docemente
Pacientemente...

...que nenhuma lágrima seja o último sorriso do amor.
Incondicionalmente.(Bandys)