terça-feira, 27 de junho de 2017


Arde na terra a solidão da lua,
Iluminando meu olhar perdido em nossas histórias!
Entre campinas, abismos, flores e chapadas..
Meus olhos queimam a última lembrança.
Como fogueira em noite de estrelas
Me deito só e com você, com vista para o mundo
Calo fundo meus sonhos, minhas queixas e meus furos.
Mas alço vôo em busca de teus passos, do teu vôo..
Piso descalça na terra do teu corpo
Suave passo, suave gosto, cheiro de mato.
Meu braço laço te lança em segredo ser meu canto,
meu verso, meu soneto, meu amor.
Vem ser poema no árido deserto
Serei oásis, silêncio, festejo
Serei sertão nas horas de aconchego..
Serei silêncio no grito de amor.
...serei pra ti todos os desejos que existem em mim...
serás para mim meu único desejo e fim! (Bandys) 

5 comentários:

alp disse...

Espero que pases un feliz verano,,,un saludo desde Murcia...

Mar Arável disse...

Na vida subimos e descemos escadas de pedras vivas

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá, é uma bela declaração de amor com a forte recordação no olhar perdido na história vivida, certamente vai continuar a viver para continuar a construir a sua linda historia de amor, o poema é maravilhoso.
Feliz fim de semana,
AG

PARAÍBA PARA O MUNDO disse...

É assim que deve ser, se cair, levantar , seguir em frente e recomeçar.É no recomeço que encontramos força para galgar degraus mais altos. Belo poema , gostei!]Abraços!

Rita Sperchi disse...

Olha que divino mais um poema cheio
de coisas boas....sabe que sou sua fá
adoro ler e guardar com carinho o que é bom.
E aproveito para te convidar para
uma brincadeira, no meu Blog, vai gostar
espero vc

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!