domingo, 13 de março de 2016


O amor é sempre novo. Ele nunca envelhece porque é não-cumulativo, não-armazenador.

O amor não conhece nenhum passado; é sempre fresco, tão fresco como as gotas de orvalho. Ele vive momento a momento, é atômico. Não tem nenhuma continuidade, não conhece nenhuma tradição. Cada momento ele morre e cada momento ele renasce novamente. É como a respiração, você inspira, você expira; de novo você inspira e expira. Você não o guarda dentro.. São nos desencontros que nos encontramos e nos perdemos para nos achar.. São nas despedidas que podemos sentir saudades e na saudade aprender amar.. São nos pedaços encontrados de mim que te acho e te guardo pra nunca mais devolver...(Bandys)

7 comentários:

Elisabete disse...

Uma boa definição de amor.
Bjs

Daniel Costa disse...

Bandys
Numa palavra, o amor está sempre presente, sufragado no ato de respirar. Devemos respirar e inspirar amor, na verdade.
Bjs

Samuel Balbinot disse...

Bom dia querida Bandys... belas palavras para aquele que esta dentro de nós nos alimentando e impulsionando todos os dias.. sempre tão profunda nos teus dizeres, continue sempre assim doce amiga beijos meus e até sempre

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Amor é momento, que devemos aproveitar. Amei de amar.
Beijo*

Mar Arável disse...

Quanto mais longe

mais perto

Sara com Cafe disse...

mais amor, por favor. que ele seja sempre renovável !

abraço.

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Bandys
Interessante definição. O amor tem memória curta ;)

bja amg