domingo, 24 de abril de 2016


Entorna do meu olhar qualquer coisa tua
E tudo o que tenho é tão pouco e tanto que me sinto duas,
Nos jardins da esperança contidos em meus seios
A espera da língua tua a lavrar-me prometida terra.

E me perco quando quero mais que teu beijo
E a fome companhia cega do suscetível desejo
Condena meu corpo ao desespero de querer-te
Primavera a aflorar-me a carne febril, alucinada.

Penso então que sou louca, bastante assanhada,
Canoa no rio a brincar de partida queimo, ardo.
Beata e cativa do teu amor imagino-me oração,
Aliso pernas, ajoelho-me a tua vontade - espero.

Tua pele incendeia meus poros, abro-me risos,
Lábios tremem coisas que eu não sabia que diria,
Peço, ordeno, tenho. Consomes minha fala.
Calo e quero que me fales doces bobagens.
(Eliane Alcantara)
..e em meu olhar há apenas aquilo que sempre foi teu:
meu sorriso e o silêncio gritante dos meus versos de amor. 
(Bandys) ♥

9 comentários:

Blog da Gigi disse...

Lindo dia!!!!!! Beijos

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Belo poema, Bandys! Vc fez uma ótima escolha!
Beijo e bom dia*

Lucimar da Silva Moreira disse...

Bandys os poemas que você sempre trás são lindos, doces, poemas que encantam a gente, bjs.

Ana Bailune disse...

Um belo poema!
Gostei de tudo.

Elisabete disse...

Fez uma boa escolha e depois acrescentou dois versos seus. Lindo!
Bjs

Sara com Cafe disse...

palavras belas. nada além...

Élys disse...

Um bonito poema.

Blog da Gigi disse...

Lindo domingo!!!!!!!!! Beijos

Sara com Cafe disse...

linda semana. beijos.