domingo, 12 de novembro de 2017

quando cheguei.

2017 - 3 anos
Acessos e encontros
Quando eu falei para Deus que eu me sentia só e precisava de um amigo, primeiro ele me fez preparar o terreno. Semeei flores pelo caminho, plantei o meu jardim. 
Construí alicerces no meu coração e abri a minha alma. 
Deus me mostrou o caminho onde eu poderia encontrar um amigo. 
Eu queria dar o melhor de mim, em busca do calor de uma amizade. Nesta busca eu me senti mais humana e mais flexível. 
Deus abriu as portas para que você pudesse entrar.  
Ele me mostrou o caminho onde eu poderia te encontrar.  
Eu lancei os meus sentimentos e conquistei a sua amizade! E agora eu sei que nunca mais estarei sozinha. 
Porque eu tenho você, meu doce amigo. Meu pequeno Theo, amigo, bagunceiro, levado e carinhoso. 
Sou feliz com a sua presença constante em minha vida.

Quando não posso falar de Deus com você, falo de você pra Deus. (Bandys)♥

5 comentários:

Silvana Martins disse...

Boa tarde querida amiga!
Que cãozinho lindo...que lindo gesto o de acolher a ele e aos irmãozinhos, procurando pra cada um um lar...
Realmente é preciso preparar o coração para recebê-los, pois são eternas crianças...podem vir a mastigar aquele livro que amamos, estragar aquele sapato caro, derrubar tudo o que acham na mesa, comer tudo o que encontram no caminho...mas amamos mais a eles, mais cara é a amizade que nos devotam.
Floquinho tinha 14 aninhos, era minha sombra, vinha me receber todos os dias ao chegar do trabalho, e apesar de cego e surdo nos últimos tempos, me seguia farejando o chão onde passei. O vazio que ele deixou é difícil de explicar...mas não precisa ser explicado a quem ama os animais.
De mim e de Ghost um grande e carinhoso abraço pra vc e pro Theo! Que Deus sempre os abençoe.
Bíndi

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Parabéns pelo texto e pelo o seu amor com os animais. Minha cadela Daiane morreu tem um mês e sinto a sua falta. Tivemos muitos momentos felizes juntos.

Eva/RN ZCMC disse...

BAndys querida, só mesmo uma poeta escreveria um texto tão tocante, poético e cheio de amor.
Eu tenho minhas 3 cadelinhas, são minhas companheirinhas amadas. A mais velha está com quase 11 anos. Fico de coração apertado por saber que , no máximo, ela viverá 15 anos. Sei que tenho pouco tempo com ela, mas meu tempo também está próximo de ter o prazo de validade vencido. Espero viver o suficiente para cuidar das três até o fim das suas vidinhas. Não quero deixá-las sem meu amor e meus cuidados de mãe, amiga e companheira.
Seu cão é lindo e garboso. Um abraço carinhoso.

Jaya Magalhães disse...

Que lindo que ele é! Muito fofo.

Eu não tenho muita conexão com cachorros ou gatos ou qualquer outro pet. Nunca tive um, apesar de alguns terem passado pelas minhas casas em épocas antigas.

Mas apesar de, entendo o amor. Admiro. Vejo sendo parte. Acho essencial como a companhia vira parte de si. Da rotina. Do dia. Acho doce a maneira como eles, em suas quatro patas, se dedicam. Se importam. E tem todo esse carinho do jeito especial de olhar e receber os seus.

Seu texto me emocionou. Quem sabe um dia meu coração se prepare e acabe recebendo algo assim bonito.

Um beijo grande.

Jaime Portela disse...

Adoro cães desde criança. E convivi com eles durante muitos anos. Percebo, por isso, este seu excelente texto.
E o Theo é lindo.
Bom fim de semana, amiga Bandys.
Beijo.