sábado, 23 de junho de 2018


Escrevo no tempo, um conto.
Nosso sorriso, nosso encontro.
Nos versos, tranquilidade
Desliza em poesia.
Navego no mar de calmaria
E também de ventania.
Vejo cores em nossos beijos,
Sabores, toques sedutores.
Descubro o amor, a paz e a liberdade.
Flutuo longe com suavidade,
Aproveitando o vento que gentilmente
Vem a nosso favor...

...a paciência me abraça quando preciso
esperar a ventania passar. (Bandys) 

8 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida amiga Bandys!
Relacionar o amor, a paz e a liberdade é perfeito!
Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
Bjm carinhoso e fraterno com paz e bem
https://espiritual-marazul.blogspot.com/

BETONICOU disse...

Oi Bandys! Escrever sobre o amor requer muita sensibilidade, e esse quesito aqui não falta. Belíssimo! Aqui li e presenciei a calmaria nos versos. Grande beijo. Feliz semana.

Rodrigo disse...

Oi Bandys!

Belo espaço o seu para compartilhar suas belas palavras. Leveza e sensibilidade transbordam por aqui.
É muito bom poder sentir por meio de suas palavras e deixar a imaginação nos transportar para momentos que são únicos para cada um.

Beijos

Bandys disse...

Rodrigo,
Não consegui comentar no seu blog.
Deixo aqui :
Escreveu Fernando Pessoa: "Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos".

Beijos

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Amor, liberdade e paz,
Um trinômio feito em luz
Que nossa alma seduz
E à alma nossa, apraz.

Belo texto! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

Ghost e Bindi disse...

Benditos aqueles a quem a paciência abraça, e que tem a sabedoria de saber navegar tanto na calmaria quanto no temporal.
Um abraço de paz,
Bíndi e Ghost

Elisabete disse...

Versos cheios de sentimentos.
Bjs

SOLIDARIEDADE disse...

Poesia amorosa como esta, lembra a doçura dos amores poetizados quase bossa nova, cheios de delicadeza e esperança.
Abraços.